A passageira indica: Restaurante Casa Valdés

Voltando ao Chile: tenho de reparar uma omissão imperdoável – esqueci de falar de um dos melhores restaurantes de frutos do mar a que já fui, o Casa Valdés.

O Casa Valdés fica em Puerto Varas, bem pertinho do hotel em que nos hospedamos, o Cabanas del Lago. No último dia na cidade, resolvemos almoçar lá, já que havíamos lido ótimas avaliações no Trip Advisor. O restaurante fica bem em frente ao lago e praticamente todas as mesas oferecem uma linda vista.

Já na entrada, é possível avistar um tanque em que eles mantêm alguns dos frutos do mar que utilizam nos pratos, o que garante que o produto é o mais fresco possível. O interior do restaurante, que fica em uma construção de madeira, é muito agradável.

DSC_0464

DSC_0467

De couvert, foram servidos os sempre presentes pãezinhos (quentinhos, aparentemente feitos na hora) acompanhados de manteiga. O cardápio conta, basicamente, com pratos compostos por frutos do mar. Foi bem difícil escolher, já que a descrição de todos era de dar água na boca, mas acabei optando por um ensopado de frutos do mar – melhor escolha impossível! O ensopado era muito saboroso e tinha uma fartura impressionante de frutos do mar…

DSC_0471

Meu namorado escolheu peixe grelhado com legumes salteados – não lembro que peixe era, só sei que foi indicação do garçom, que afirmou que o peixe havia chegado naquela manhã no restaurante (o garçom que nos atendeu, aliás, era muito atencioso). O prato, segundo ele, estava sensacional: peixe no ponto e tudo super saboroso.

DSC_0474

A carta de vinhos era bem grandinha. Eu pedi uma taça de vinho branco (não lembro qual – nem o nome, nem a uva), que custou R$ 15,00. O meu prato, por outro lado, custou cerca de R$ 50,00, preço super justo tendo em conta a qualidade do ensopado, sem dúvida o melhor que já provei. Em resumo: ótima relação custo-benefício para uma refeição maravilhosa.

O quê? Restaurante Casa Valdés Onde? Santa Rosa 040 – Puerto Varas

Anúncios

A passageira indica: Puerto Varas

O Chile foi nosso destino no final de 2014. Quando programamos a viagem, tivemos uma única dificuldade: decidir quais lugares visitar. É incrível como o Chile tem tantos e tão diversificados destinos turísticos: é possível visitar, em um mesmo país, aquele que é considerado o deserto mais árido do mundo e, também, conhecer geleiras. Sendo a nossa primeira vez no Chile, decidimos começar pelo básico, visitando Santiago e Viña del Mar; como havia dias suficientes para incluir mais algum destino, optamos por conhecer a região dos lagos andinos, que faz parte da patagônia chilena e fica próximo à Argentina.

A região é marcada pelos diversos lagos (!) e vulcões que abriga. A melhor base para explorá-la é, sem dúvida, Puerto Varas, município que fica às margens do Lago Llanquihue. Embora a capital da região seja Puerto Montt – onde pousam os voos que partem de Santiago -, Puerto Varas é mais turística; Puerto Montt, justamente por ser uma cidade maior, é mais caótica e não tão bonita. Puerto Varas, por outro lado, é bastante tranquila: a cidade tem cerca de 40.000 habitantes, é compacta e conta com hotéis e restaurantes de boa qualidade.

Para chegar até lá, fomos de avião de Santiago e Puerto Montt. Ainda no aeroporto, pode-se pegar um táxi ou uma van que se dirigem direto a Puerto Varas, situada a cerca de 30 minutos; é possível, também, pegar um ônibus até o centro de Puerto Montt e, de lá, outro ônibus até Puerto Varas. Optamos por pegar uma das vans que estavam estacionadas na saída do aeroporto; para duas pessoas, o trajeto custou CLP 15.000 – o equivalente a cerca de R$ 75,00. Os táxis estavam cobrando CLP 20.000 (ou cerca de R$ 100,00).

Em Puerto Varas, nos hospedamos no hotel Cabaña del Lago. O hotel fica na beira do Lago Llanquihue e tem vista para os dois vulcões que dominam a cidade: o Osorno e o Calbuco. Do nosso quarto, tínhamos uma vista espetacular: olhando para a esquerda, podíamos ver o vulcão Calbuco; para a direita, era possível ver a parte central da cidade.

DSC_0117

DSC_0452

O hotel era muito, muito bom: o quarto era bastante espaçoso; dentre as facilidades, piscina aquecida, sauna seca e a vapor, spa, academia, um bar e um restaurante que oferece boas refeições (e taças de vinho muito bem servidas!). Pagamos cerca de R$ 1.000,00 por quatro diárias.

A cidade é muito bonitinha, com suas construções em estilo germânico – reflexo da colonização alemã, que também se mostra presente nos cafés e confeitarias que oferecem kuchens em vários sabores -, o lago e os vulcões que a cercam. Há alguns barcos que fazem passeios pelo lago (por um preço um tanto salgado – cerca de R$ 100,00 por uma hora, incluído um suco ou um pisco sour); é possível, também, alugar um caiaque ou equipamentos pra fazer stand up paddle; pra quem é (muito!) corajoso, tomar banho no lago também é uma opção. Embora a temperatura máxima, nos dias em que estivemos lá, não tenha ultrapassado os 20º C (e a mínima tenha ficado na casa dos 8/10º C), vimos muita gente entrando no lago, principalmente no dia de Natal, quando o sol apareceu com mais firmeza durante boa parte do tempo e até fez um leve calorzinho… Nesse dia, havia muita gente ao redor do lago; nas partes em que há uma espécie de “praia”, com uma faixa de areia, havia inclusive um pessoal munido de guarda-sol…

DSC_0435

DSC_0445

Mas não há, na cidade, um passeio obrigatório: Puerto Varas é apenas a base para conhecer as belezas naturais da região. E, como base, mais do que cumpre sua função: primeiro porque, como já escrevi, conta com bons hotéis e bons restaurantes – que oferecem frutos do mar fresquíssimos; além disso, as principais atrações – o vulcão Osorno, os saltos do Petrohué, o lago Todos los Santos e as demais cidades que ficam ao redor do Llanquihue – ficam a, no máximo, 40 minutos.

Pra quem quer visitar Chiloé, um arquipélago que vem ganhando apelo turístico, basta ir a Puerto Montt e lá pegar um ferry – há quem faça o passeio como um bate e volta, mas aparentemente vale a pena ficar alguns dias por lá (coisa que faremos em uma próxima oportunidade). É de Puerto Varas, ainda, que parte o Cruce Andino com destino a Bariloche – passeio alvo de controvérsias, mas que parece de certa forma interessante (tirando o perrengue de enfrentar trechos de barco e ônibus durante um ou dois dias).

Resumindo: além de Puerto Varas ser uma ótima base para conhecer a região, o conjunto todo – o lago, os vulcões, as construções em estilo germânico – faz dela uma bonita cidade e um excelente destino no sul do Chile.